31 de julho de 2009

Talvez prefiram esta...


É bonita a nossa terra!!!


A política sexy

A romena Elena Basescu, tem 29 anos e diz que quer tornar a política sexy. No mês passado carimbou o passaporte para Estrasburgo ao ser uma das vencedoras das eleições para o Parlamento Europeu.
Mas Elena Basescu não é uma política qualquer. Manequim, filha mais nova do Presidente romeno, saltou cedo para as páginas da imprensa cor-de-rosa à custa da sua atribulada vida amorosa e de uma curta carreira política.
“Os jornais retrataram-me como uma mulher inculta, mas eu mostrei que valho mais do que isso," disparou a "Paris Hilton dos Cárpatos", como é conhecida Basescu, no momento em que viu confirmada a sua eleição para deputada.
A escultural morena de 29 anos desde do anúncio da candidatura que desafiou os críticos principalmente porque ia concorrer como independente. E desde sempre disse ao que ia. Logo nos primeiros dias deu o mote da batalha, pelos votos, em que estava envolvida: "Eu decidi fazer o caminho até Estrasburgo a pé, enquanto outros candidatos vão para lá de avião," disparou.
Mesmo sem apoio, a romena conquistou o seu espaço. Avançou para a Internet e investiu no Facebook até conseguir, sem grande dificuldade, 200 mil assinaturas - o dobro das necessárias para ir a votos. Na segunda etapa, num esforço para se livrar da imagem de incompetência, acenou com o diploma de Economia e o seu estágio no Parlamento Europeu.
E já agora… Não há por aí nenhuma modelo interessada em tomar este exemplo e tornar a política concelhia mais sexy? Um pouco da beleza e do glamour da menina Basescu não fariam mal nenhum.

Para reflectir!!!


Descoberto Enterramento

As escavações realizadas no âmbito da construção da nova Escola Secundária de Alcácer do Sal, colocaram a descoberto um enterramento na antiga «Necrópole do Olival do Senhor dos Mártires». Face à importância do local tornou-se necessário proceder a uma intervenção arqueológica.
Este foi um espaço de fusão de múltiplas culturas e religiões, onde sempre se respeitaram os costumes e cultos de todos nem que para isso se tivesse de pagar imposto.
Esta universalidade cultural permitiria a manutenção da necrópole do Senhor dos Mártires, por muitos anos, transformando-a, com a continuação dos tempos, num espaço sagrado onde o divino se oferecia a todos os homens que o procuravam.
Há muito, muito tempo, é provável que os enterramentos fossem apenas dentro do recinto amuralhado, mas com o desenvolvimento e o crescimento da cidade, a necrópole teve de crescer, necessariamente, passando a ocupar, também, a encosta voltada a poente.
Cultura é o que nós mais temos para oferecer.
Vão por mim… e ofereçam aos outros aquilo que nós temos de melhor… a nossa cultura… nem que seja pela construção de outro museu
.

30 de julho de 2009

Conselho...

Aproveitem para se refrescar como ele...

Alta política...

Um homem está a conduzir o seu carro, quando a certa altura percebe que se perdeu. Dá conta de outro homem que passa por perto, encosta ao passeio e chama-o:
- Desculpe, pode dar-me uma ajuda? Prometi a um amigo encontrar-me com ele às 14h, estou meia hora atrasado e não sei onde me encontro.
- Claro que o posso ajudar. O senhor encontra-se num automóvel, entre os 38 e os 39 graus de latitude norte e os 9 e 10 graus de longitude oeste, são 14 horas, 23 minutos e 42 segundos, hoje é quarta-feira e estão 27 graus centígrados.
- O senhor é informático?
- Exactamente! Como é que sabe?
- Porque tudo o que me disse está correcto do ponto de vista técnico, mas é inútil do ponto de vista prático. De facto, não sei o que fazer com a informação que me deu e continuo aqui perdido.
- Então o senhor deve ser um político, certo? - responde o informático
- Na realidade sou mesmo. Mas, como percebeu?
- Muito fácil: não sabe nem onde se encontra, nem para onde ir; fez uma promessa que não faz a menor ideia de como vai cumprir e agora espera que outro qualquer lhe resolva o problema. De facto, encontra-se exactamente na mesma situação em que estava antes de nos encontrarmos, mas agora, por um qualquer estranho motivo a culpa acaba por ser minha!

Algumas coisas que todos devíamos saber...

Era uma vez um corvo que estava poisado numa grande azinheira sem fazer nada.
Um coelho, vendo-o, pergunta: - "Corvo, eu também posso ficar como tu, sentado o dia inteiro sem fazer nada?"

O Corvo responde: - "Claro que sim coelho, porque não?"
O coelho senta-se então no chão junto ao sopé da azinheira, e relaxa.
De repente, aparece uma raposa e come o coelho.
Moral da história: Para ficares sentado sem fazer nada, deves estar bem lá no alto!

29 de julho de 2009

Porque sou do Partido Socialista?

Não espero que concordem mas...
Muita gente parece ficar iludida porque eu sou do Partido Socialista!
Muita gente parece ficar desiludida porque eu sou do Partido Socialista!
Mas parece que muitos ficam ainda mais desiludidos porque eu sou anti-comunista!
É como aquele benfiquista que fica desiludido com o amigo sportinguista porque este quer que o sporting ganhe os jogos contra o seu eterno rival: o Benfica!
Parece confuso??? Pois parece, mas não é...
Já lá vão muitos anos, mas na terra natal só havia PSD e CDS. E eu por opção racional, preferia ver as disputas por fora. Que prazer quando o Soares ganhou ao Freitas... já lá vai uma enormidade de tempo!!!
A primeira organização partidária do movimento socialista em Portugal foi criada, em 1875, por Azedo Gneco, Antero de Quental e José Fontana, entre outros. Eu ainda não era nascido.
A transformação da Acção Socialista Portuguesa em Partido Socialista ocorreu a 19 de Abril de 1973. Ainda era um miúdo à procura de crescer.
Com o tempo o Partido Socialista que, na clandestinidade, defendera uma política de unidade na acção com as demais forças antifascistas, opõe-se à estratégia do P.C.P., e luta pela implantação de uma democracia pluralista. E aqui já todos começamos a participar.
Já há muito tempo disse isto e tive dissabores... aproveitem para ler, seguindo este link passado...
Mas será que ser do Benfica ou do Sporting é assim tão importante? Mas será que por eu ser do Benfica e querer que o Sorting perca os jogos contra o rival é motivo de desilusão para os outros???
Faço esta afirmação pessoal porque entendo que quem não tem ideais, não tem nada, é vazio de conteúdo. A nossa postura perante a cidade de Alcácer do Sal, em que vivemos, é algo pessoal e demonstrativo da nossa essência. Ninguém pode negar sua personalidade, a sua forma de ser, nem esconder sua forma de pensar. Apenas somos o que somos e, por dificuldades, nem sempre somos aquilo que dizemos ser. Muitas vezes nem sequer conseguimos ser o que pretendemos.
Mas pelo menos eu torno público aquilo que penso, o que por vezes não é bem aceite, por uns ou por outros, pois a liberdade de expressão ainda não foi assimilado por alguns e por outros que preferem viver no passado. E cá em Alcácer as gentes souberam bem o que era o passado.
E vão por mim... que nós somos aquilo que dizemos e fazemos. A procura da excelência não deve ser um acto isolado, mas sim um hábito contínuo... porque se for isolado não passamos as primeiras tempestades. E há tantas na vida... ai se não há...

28 de julho de 2009

Nota de Imprensa da Comissão Politica PS de Alcácer do Sal

"No âmbito do lamentável e vergonhoso processo de escolha dos candidatos autárquicos do Partido Socialista em Alcácer do Sal, a Comissão Política Concelhia de Alcácer do Sal tomou conhecimento, através dos meios de comunicação social, que a Comissão Política Nacional avocou o processo de designação dos candidatos aos órgãos autárquicos de Alcácer do Sal, tendo, nessa sequência, definido como candidato do Partido Socialista à Câmara Municipal de Alcácer do Sal Pedro Paredes;
Tal notícia não deixa de ser surpreendente por duas ordens de razões:

1.ª- A Comissão Política Concelhia, de acordo com os Estatutos que regem a actividade do Partido Socialista, definiu e aprovou a lista dos candidatos aos órgãos autárquicos do concelho de Alcácer do Sal;
Esta foi uma decisão legítima, legal e democrática, não se compreendendo as razões da sua não aceitação, já que a mesma reuniu o consenso de grande parte dos socialistas de Alcácer do Sal, como, aliás, mostram as evidências;

2ª- Assente num alegado «Abaixo-Assinado», a Federação do Distrito de Setúbal, inusitadamente e sem grande sucesso, tentou avocar o processo de designação dos candidatos a Alcácer do Sal, não reunindo os 2/3 necessários para esse efeito;
Não obstante nunca termos visto tal «Abaixo-Assinado», foi-nos dito que o mesmo conteria afirmações difamatórias susceptíveis de lesar o bom nome e a honra de membros do Partido Socialista local que tanto têm feito pelo nosso Partido, designadamente levando-o à conquista da Câmara de Alcácer do Sal há 4 anos atrás, acontecimento até aí inédito;
Aparentemente, a própria Federação terá entendido que a designação dos candidatos do Partido Socialista a Alcácer do Sal só aos socialistas alcacerenses diria respeito, pelo que a escolha já feita seria válida e definitiva.

Foi nosso entendimento que o assunto estaria encerrado. Estranhamente, a Comissão Política Nacional, e na sequência do «chumbo» da Federação, resolveu, ela própria, avocar o processo.Mais estranhamente, a mesma Comissão Política Nacional resolve em sentido manifestamente contrário àquele que havia sido o entendimento, válido e legítimo, da Comissão Política Concelhia de Alcácer do Sal, sem sequer ouvir esta em todo este processo.

Tal contraria em tudo o que é, ou julgavamos ser, a cultura democrática do Partido Socialista, atropelando regras e princípios que se consideravam sólidos e incontornáveis.Perante tão grande atropelo, é compreensível a indignação e não aceitação por parte daqueles que haviam legal e democraticamente escolhido as pessoas que entendiam indicadas para se candidataram aos órgãos autárquicos em Alcácer do Sal, ainda mais, quando não foram «vistos nem achados» na decisão desta Comissão Política Nacional, que se limitou, cega e surdamente, a fazer tábua rasa daquilo que havia sido uma escolha conscienciosa, interessada e militante.

Face a este lamentável cenário, a Comissão Política Concelhia de Alcácer do Sal do Partido Socialista, dentro dos valores da verdade, transparência e lealdade, vê-se assim obrigada a esclarecer a opinião pública, em geral, e os camaradas em particular, relativamente ao que se passou, deixando claro que a decisão tomada pela Comissão Política Nacional do Partido Socialista quanto à definição dos candidatos para os órgãos autárquicos de Alcácer do Sal foi feita à sua total revelia e com o seu pleno desconhecimento."

Vão por mim... e respeitem os ideais originais e plenos da democracia. Mas...

Se a moderação é um erro, a indiferença pode ser um crime

Pois é... como nunca fiquei indiferente a algumas brincadeiras de pessoal crescido, coloquei perante mim mais um dilema..
Antes, ninguém queria saber... mas como o pessoal que quer dizer, está a crescer muito nos últimos dias, começou a ser impossível controlar tudo a 100% ... aliás, não pode ser uma boa política moderar este tipo de blogue sem leitores....
Nos últimos tempos tivemos uns posts não relacionados com os assuntos e ainda assim esses posts não foram moderados, ou melhor, não foram apagados...
queriamos manter uma postura livre, sem nenhuma exclusão de posts... mesmo porque na internet, o que não é importante sai rapidamente do contexto e nunca mais nos lembramos que aquilo foi escrito.
O que pensam sobre isto? Que devemos moderar os posts ou deixar que os alcacerenses ignorem o que está a ser escrito???
Em contrapartida, devem pensar que este sistema aberto apresentou a desvantagem de dar guarida a posts anónimos e falsos com a consequente perda de controle, dos conteúdos, por mim que apenas digo o que penso mas que também sou o administrador do Blog.
Mais, há que dar especial atenção
ao facto de alguns alcacerenses se sentirem ofendidos por mensagens, em formato de posts, e atribuirem a responsabilidade ao administrador do blogue.
Reparem, ao disponibilizar espaço para a divulgação democrática do conteúdo inserido por terceiros, estou a assumir o risco para com algumas expressões ofensivas escritas...
E assim... prefiro perder um espaço de libertinagem para alguns.... mas partilhar este pequeno território de liberdade com todos.
E vão por mim... nós não gostamos que os nossos filhos digam palavrões... e ofendam os outros, principalmente os que nos são mais próximos.

Circular é viver

Se observarmos bem, tudo o que o acontece é feito em círculos.
O ceú é redondo, o nosso sistema solar é redondo, a terra é redonda e gira sobre si própria, fazendo com que o Sol nasça e desapareça, também em círculo sobre a Terra, voltanto, todos os dias, ao seu ponto de partida. O mesmo acontece como as estrelas, com a Lua e os restantes planetas.
O vento, em algumas ocasiões, rodopia.
Muitos pássaros, como as cegonhas, fazem os ninhos redondos.
As flores são formadas por pétalas em camadas circulares.
Os pingos da chuva caiem e deixam circulos numa simples poça de água.
A nossa vida é um círculo, que vai da infância até à infância!
Construímos diariamente a espiral da nossa vida enchendo-a de projectos, de energia, de luta, de desejos e de sonhos... que são desfeitos à noite... ficando a esperança nos nossos olhos.
É como um comentário que um dia ouvi: "Quando nascemos vimos nus e vazios, à medida que vamos crescendo vamos preenchendo todos os espaços e morremos já cheios de histórias completando assim a espiral da nossa vida".
E vão por mim... que isto acontece a todos, principalmente a mim.

O Leão e o Rato

Num dia de muito sol, dia de verão, numa floresta, um leão estava a dormitar.
Um pequeno rato saiu da toca aturdido e caiu entre as garras do leão. Com um movimento rápido o leão agarrou-o e estava pronto para o matar, ao que o rato suplicou:
Se me poupasses, tenho certeza que um dia poderia retribuir a bondade.
O leão começou a rir-se mas, por achar rídícula a idéia, resolveu libertá-lo.
Então o ratinho disse-lhe muito obrigado e pisgou-se.
Uns dias depois, o leão caiu numa armadilha, rugiu e tentou escapar. Tudo em vão.
Apareceu então o rato e começou calmamente a roer as cordas da armadilha.
O leão muito agradecido disse Obrigada e ganhou um pequeno grande amigo.
Vão por mim... e nunca substimem os outros... porque apesar de serem pequenitos podem alcalçar um dia grandes feitos.

A Lagartixa que queria ser jacaré...

O Farropas é uma lagartixa triste porque o seu sonho é ser um jacaré.
Ser grande e ser forte, acabar com as implicações do canito Milu e do galo Diabão, e deixar de ser uma simples, fraquinha e pequenita lagartixa...

Um dia, por meio de um amigo do peito, o Farropas conhece o Dr. Carranca, cirurgião plástico, que, em poucos minutos de corte e costura, o transforma, como devo dizer, num “jacarétixa” ou numa "lagarticaré".
Mas a felicidade do Farropas dura pouco, pois no caminho encontra vários tornados e ciclones que acabam por o desmembrar.
Apavorado, o Farropas, correu e guinchou mas....
Nunca uma frase com quase 400 anos se manteve tão actual como esta: mais vale ser rainha por um dia do que duquesa toda a vida, disse um dia Luísa de Gusmão, mulher do futuro rei de Portugal D. João IV.
E isto tem a ver com ..... Fácil.
Vão por mim e... reparem nas várias equações que se amontoam... ao pensarem que chegam lá... mas não chegam, porque o jacaré está vivo...

24 de julho de 2009

Avocação da Candidatura do PS de Alcácer do Sal

Conforme e-mail...
"1.A Comissão Politica do PS do Distrito de Setúbal na reunião que teve lugar no dia 09.07.22 procedeu à avocação da lista de candidatos à Câmara Municipal de Alcácer do Sal.
2.A proposta do Secretariado da Federação foi aprovada por maioria simples, mas como os estatutos do partido exigem uma maioria qualificada de 2/3, o processo será avaliado na próxima reunião da Comissão Politica Nacional a ter lugar no dia 09.07.24, Sexta-Feira, com decisão definitiva."
Por isso vão por mim e... esperem que esta decisão aconteça hoje.

23 de julho de 2009

Teste os seus conhecimentos...

Annie Leibovitz foi uma das mais consagradas “fotógrafas de celebridades” dos nossos tempos e as capas de revista que ela fez tornaram-se um marco histórico no mundo da edição.
Nesta foto, que conjuga talento e glamour, podemos ver vários actores famosos reunidos para celebrar esta arte...

Vale a pena ver quem ainda é famoso e quem já não é... vale a pena...
Será que alguém consegue adivinhar o nome de todos os actores que estão na foto???

Não perca as Festas da Comporta

A Comporta, Alcácer do Sal, realiza neste fim-de-semana mais uma actividade para dinamizar todas as suas gentes: ComportAberta.
Esta iniciativa, dinamizada pela Junta de Freguesia da Comporta, pretende promover e divulgar o melhor do nosso concelho .
Conte, por isso, com muita animação.
Salientamos as actuações da Sociedade Filarmónica Amizade Visconde de Alcácer, do Rancho Folclórico de Alcácer do Sal, de Dino Alexandre, da Tuna Académica de Setúbal Cidade Amada e do Grupo Coral Mar Azul e Palatino Augusto.
Durante toda a actividade decorre, também, uma Mostra de Artesanato e a Exposição de Fotografia “Um Olhar sobre a Comporta”.
Vão por mim... e vão comigo, pois eu também lá vou, pelo menos, para comprar mais uma peça de artesanato alentejano.

22 de julho de 2009

Voluntários para a Campanha Eleitoral

Quem é que tem tempo para oferecer aos que querem fazer o melhor pela sua terra???
É necessário que os Alcacerenses, envolvidos em actividades, estudos e profissões com horários rígidos, vão aos poucos transformando o seu modo de estar e que, de uma forma natural e livre, ofereçam um pouco de si e sirvam a comunidade.
Gosto de pensar em puzzles, onde cada peça é única e todas as peças se encaixam!
E esta é a realidade que nós estamos actualmente a viver. Cada um de nós terá que mostrar como uma peça única se deve unir numa estrutura complementar. Todos devemos unir a nossa vontade a um esforço maior!!!
Esta é apenas uma ideia. Não será mais do que um meio de aproveitar as disponibilidades dos Alcacerenses, com vontade de contribuírem, para fazer avançar a nossa terra.
Em conjunto, teriamos a responsabilidade de contribuir para a mobilização dos Alcacerenses e para o esclarecimento das suas opções. É por isso que contamos com o seu apoio na criação de uma rede de cidadãos voluntários a bem de Alcácer do Sal.
É com este espírito que lançamos o desafio à participação de cidadãos disponíveis para este esforço.
Vão por mim... e só juntos podemos avançar por Alcácer do Sal!

Feira do Torrão

Está de volta, no primeiro fim-de-semana de Agosto, a feira do Torrão. Esta é uma actividade organizada pela Junta de Freguesia de Torrão, e que tem o apoio da Câmara Municipal de Alcácer do Sal.
E assim nos dias 31 de Julho, 1 e 2 de Agosto, o Torrão, promete espectáculos musicais, feira de artesanato, exposições de máquinas agrícolas, produtos alimentares, roupa e muito mais. Para a criançada que quer animação destaca-se um lugar de diversão com muitos carrosséis.
E no dia 1 de Agosto, às 21.15, temos que destacar a Corrida de Toiros.
Aproveitem pois, já que... as férias são curtas e o próximo ano vai ser sofrido... ainda mais do que este.

21 de julho de 2009

Uma nova ideia...velha

Fomentar o empreendedorismo premiando a iniciativa, a cultura do risco, a insatisfação e a procura de novas soluções, é uma prioridade em Alcácer do Sal, e por isso é uma obrigação de todos nós. Mas é preciso sempre mais...
Um empreendedor é um “revolucionário” porque aposta na inovação, não tem medo do risco e avalia-o com responsabilidade, tem em mente um objectivo e persegue-o tenazmente.
E os Alcacerenses empreendedores são e sempre serão o motor do nosso desenvolvimento. Precisamos destas pessoas, temos de as acarinhar de forma decisiva e criar-lhes um ambiente favorável para desenvolverem as suas capacidades.
E isto porquê?? Para que não tenhamos de ouvir, dos nossos filhos, que precisam de sair da nossa terr e ir até Lisboa ou até outras cidades Europeias, porque aqui não existem oportunidades.
As oportunidades também se criam. E nós temos que criar essas oportunidades... temos que criar uma Geração de Ideias.

16 de julho de 2009

Não Acordem, Não !!!!!

Depois do fim do muro de Berlim, os barões do comunismo quase se extinguiram.
Quase, mas não neste cantinho que é Portugal. Quase, mas não neste cantinho que é Alcácer do Sal. E honras lhes sejam feitas, que ao longo dos tempos foram aguentando o conjunto abrangente dos seus eleitores.
E vagueando como ilhéus fluviais, estes marcianos destemperados convenceram-nos que já não poderiam impedir a torrente do socialismo democrático. E como dizem alguns em surdina, porquê votar na CDU se já não há comunistas?
Porquê? Porque se o socialismo e os socialistas não mudarem corremos o risco de ter um modo de ser e de estar muito semelhante a tempos que já lá vão.
E como todos já sabemos as eleições para a autarquia, que estão para breve, serão marcadas por uma ofensiva ideológica de esquerda. E o que está em causa não é o fim de um ciclo e, muito menos, o fim de um projecto mas a ausência de um credo aglutinador de carisma, princípios, valores e... um espírito apolíneo que abdique do seu rival Dionísios.
Por isso o que se impõe é acção. Será preciso que os socialistas acordem do seu sono letárgico e que o Partido Socialista apresente um novo projecto de esperança. Não só um novo programa, mas novas pessoas e novas políticas. É preciso que os Socialistas de Alcácer do Sal se reencontrem consigo mesmo, com os seus príncipios e com os seus eleitores.
Os socialistas têm de fazer uma coligação com os Alcacerenses. Se a CDU passar a governar a nossa cidade, os Alcacerenses serão os principais perdedores, independentemente da maior votação que os vários partidos alcançem, principalmente o Bloco de Esquerda.
Ainda há tempo. Ainda é possível vencer a CDU.
Nas europeias, não foi a CDU e o BE que tiveram um aumento de votação, foi o PS que perdeu grande parte do seu eleitorado. E não pensem que será fácil. Não se vence a CDU «como quem esfrega um olho». Há até pessoas novas e com capacidades nas suas listas... apesar de serem poucas... menos até de poucas...
Mas ainda é possível vencer. Mas alguma coisa tem de ser feita. E saibam que, apesar dos erros, os Socialistas de Alcácer têm a cabeça bem levantada.
Mas vão por mim... Não acordem, não!!! E depressas. E depois não digam que não avisei. Só de pensar que um dia destes os Alcacerenses estejam a perguntar como é que se perdeu mais uma oportunidade... de projectar Alcácer do Sal, a sua História e a sua Gente...

14 de julho de 2009

Morreu mais um pouco da nossa Liberdade.

A Nossa Liberdade perdeu mais um dos seus arautos.
Sem partido ou ideologia, Palma Inácio, como um verdadeiro homem da terra, foi um dos poucos que arregaçou as mangas e pôs mãos à obra contra a ditadura. Foi dos poucos que se entregou ao combate pela liberdade e pela democracia.
E ele era apenas um herói romântico, um abnegado resistente antifascista e um conspirador contra os que queriam a ditadura.
Mecânico e piloto notável , desviou o primeiro avião comercial, a nível mundial, obrigando o piloto a voar baixinho para lançar panfletos contra a ditadura. Sabotou aviões militares e fez o maior e mais bem sucedido assalto, ao Banco de Portugal, na Figueira da Foz, para custear acções conspirativas contra o salazarismo.
Hermínio da Palma Inácio, militante histórico do PS, morreu hoje.
Morreu pobre e honrado e todos devemos guardar, para sempre, o nome deste combatente da liberdade.

10 de julho de 2009

E agora algo completamente diferente...


O velho, a criança e o burro

Esta é uma das historietas, da nossa infância, que nunca mais esquecemos. Certamente acontece a todos, recordar esta fábula de Esopo.
Vamos então tentar contar sem muitos erros.
Vivia no monte um homem muito velho que tinha por companhia o seu neto. Certo dia, o velho resolveu ir até á cidade com o seu burro fazendo-se acompanhar do gaiato.
Seguiam a pé, o velho à frente seguido do burro e atrás a criança. Ao passarem por um povoado logo foram criticados pelos que observavam a sua passagem:
- Olhem aqueles patetas, ali com um burro e vão a pé.
O velho disse ao neto que se montasse no burro e este assim fez.
Um pouco mais adiante passaram junto de outras pessoas que logo opinaram:
- O garoto que é forte vai montado no burro e o velho, coitado, é que vai a pé.
Então o velho mandou apear o neto e montou ele no burro. Andaram um pouco mais até que encontraram novo grupo de pessoas e mais uma vez foram sensurados:
- Olhem para isto. A pobre criança a pé e ele repimpado no burro.
Ordenou então o velho ao neto:
- Sobe rapaz, seguimos os dois montados no burro.O rapaz obedeceu de imediato e continuaram a viagem mas um pouco mais adiante um grupo de pessoas enfrentou-os com indignação:
- Apeiem-se homens cruéis, querem matar o burrinho?
Descendo do burro, disse o velho ao rapaz:
- Desce, continuamos a viagem como começamos. Está visto que não podemos calar a boca ao mundo.
...Havia ainda uma outra parte final da história em que velho e jovem levam o burro às costas.... não me lembro bem... mas...

Moral da História: Está visto que não podemos agradar a todos, logo o melhor é pensarmos por nós e estabelecer qual a melhor escolha!
E como diz o outro: E eu sou o Burro, né???!!!

8 de julho de 2009

Upside Down


E como é que dizia Leão Trotsky?


" O resultado é, como se diz, tanto menor quanto mais as forças divergem entre si. Quando os aliados políticos puxam em direcções opostas o resultado é igual a zero” .

7 de julho de 2009

O Jogo do(s) Galo(s)

A propósito do que se vem passando po aí... lembrei-me do Jogo do Galo. Ou será Jogo dos Galos?
O Jogo do(s) Galo(s) é um jogo simples, que não traz grandes dificuldades para os jogadores. O objectivo do jogo é conseguir fazer três Bolas ou três Xis em linha ( horizontal, vertical ou diagonal), e ao mesmo tempo, impedir o adversário de ganhar. Quando um jogador conquista o objectivo ganha.
Analisando o tabuleiro ... e o número de possibilidades, de forma simplista, podemos dizer que existem milhares de maneiras de se poderem colocar as Bolas ou os Xis... mas tendencialmente se os dois jogadores jogarem sempre da melhor (ou pior) forma, o jogo terminará sempre empatado... ou melhor... ninguém consegue ganhar... ou melhor.... perdem os dois e perdem todos os que estão á sua volta.
E depois desta metáfora aconselho quem joga este jogo a ver a coisa desta maneira... todos temos de aprender que às vezes não conseguimos vencer, e o melhor é saber aprender a perder...
Por isso vão por mim... e não queiram ser uns «empatas» porque são os alcacerenses quem mais perde com este jogo.

3 de julho de 2009

Elas preferem azul...


Azul ou Vermelho?

Viver em Portugal como em Alcácer do Sal é viver entre dois mundos. Há que olhar de um lado para o outro, tentando transpor a realidade para ver esse outro lugar que parece fazer mais sentido ou pelo menos ser mais interessante e talvez até satisfatório.
Crescemos a tentar encontrar o nosso caminho entre diferentes possibilidades, diferentes mundos. Caminhamos ao longo da vida construindo um conjunto de valores e de regras que constituem, apenas, uma alternativa possível, mas que oferecem um encanto e um estímulo aos horizontes da nossa vida quotidiana.
Embora, no passado, Alcácer do Sal nos possa ter dado um sólido sentimento de nós mesmos, nunca deixámos de buscar aqueles outros mundos que excediam tudo o que conhecemos. E conseguimos tê-lo.
E foi assim que nos fomos apercebendo de que cada um dos nossos mundos abria as portas para outro mundo, que o mundo antigo nos podia levar a um mundo novo mais valioso e muito maior do que o que tínhamos. E conseguimos tê-lo.
Mais, nos nossos passeios á beira do Sado começámos a aperceber-nos da importância de uma vida de compromisso e acção, expressa numa linguagem política.
Depressa aceitámos, também, a Liberdade e a Racionalidade como referências permanentes de um lugar que sempre quisemos.
A vida pública e a sociedade, o meio ambiente e a qualidade de vida, a proximidade das pessoas, a luta contra o esgotamento dos recursos, o combate contra burocratas, tecnocratas e salvadores políticos do mundo antigo são também alguns dos variados temas acerca dos quais conversamos no dia a dia.
Serve este conjunto de palavras para dizer que na política como na via temos de ter a coragem e a convicção, a dignidade de nos afirmar, credivelmente, como forma eficaz e eficiente de elevar a qualidade de vida de Alcácer do Sal...
Temos de lutar a favor de um certo estado de coisas… queremos mais razão, queremos mais cultura, queremos mais trabalho, queremos mais riqueza, queremos mais liberdade, melhores hábitos democráticos, isto é, queremos afirmar o futuro de Alcácer do Sal e das suas gentes.
Inesperadamente, no início do século XXI, surgem ainda homens que invocam e trazem atrás de si uma imensa cauda das fraudes cometidas pelos regimes marxistas, pelo que temos dificuldade em perceber como é que tantas pessoas inteligentes e genuinamente bem intencionadas ainda apoiam líderes e sistemas que sempre reduziram as capacidades do ser humano.
É para nós, também, um mistério aceitar que algumas pessoas de Alcácer do Sal ainda defendam alguns desses ideais e defendam um líder populista disfarçado de homem providencial.
Assim… vão por mim… e escolham entre o melhor de dois mundos… porque o pior que nos poderia acontecer era voltarmos a ser passivos diante das notícias de violência e repressão que vão eclodindo por todos os regimes utópicos com barbas brancas da Renânia.