28 de janeiro de 2011

Sementes, árvores e frutos ou folhas...

Era uma vez uma semente, que seria igual a todas as sementes, não fosse o seu atrevimento de se esconder ao pé da estrada.
Era uma vez uma árvore, que seria igual a todas as árvores, não fosse a particularidade de ter uma só folha.
Era uma vez uma folha, que seria igual a todas as folhas, não fosse não conhecer mais nenhuma igual a si.
Nasceu de uma semente mais pequena do que um grão de areia espetada á beira da estrada e foi crescendo, criando raízes, tornando-se forte, resistindo a todos os vendavais que a fustigavam.
Todos olhavam para aquela árvore por ser diferente de todas as outras árvores. A folha verdejante tornou-se enorme e era o único sinal de vida naquele tronco enorme. Deu frutos como qualquer outra árvore e foi sombra para viajantes que descansavam debaixo dela.
E a sementinha espetada á beira da estrada...

16 de janeiro de 2011

Pedidos para 2011...

O texto que se segue é da autoria de um anónimo...
«1. Espero que em 2011…haja mais lojas de chineses, até haver, como Mão Tsé Tung prometeu, um loja por cada família de portugueses.
2. Espero que em 2011…u akordo ortográfiko tb inklua linguagex sms pk axo ke ax storax i u......s alunox i nox todox tamox a exkexer kumu xe exkrve.
3. Espero que em 2011…haja mais portagens, nas rotundas, nas escadas rolantes, nos elevadores, nas passadeiras, nas pontes, nos escorregas, nas portas giratórias e nos acessos às auto-estradas onde ainda não se paga. Cada português vai andar com um identificador na testa para pagar cada vez que se mexer mais de trinta centímetros, mesmo na cama.
4. Espero que em 2011…se dê independência à Madeira, que se tornará em mais uma ilha monárquica, e se vendam os Açores aos Estados Unidos, com o que se deve baixar significativamente o deficit.
5. Espero que em 2011…o IVA suba de uma vez para 75% em vez de andarem de seis em seis meses a subir 1 ou 2 % a ver se não notamos que nos andam a lixar, para não usar outro termo.
6. Espero que em 2011…as selecções portuguesas de corrupção activa e passiva se qualifiquem para os mundiais a disputar em Angola. E bons atletas não nos faltam.
7. Espero que em 2011…se aplique imposto de selo e mais valias ao tráfico de droga, car jacking, extorsão, maus tratos conjugais, gamanço, assaltos a joalharias e bancos e roubo de multibancos.
8. Espero que em 2011…o FMI invada Portugal e monte por todo o lado campos de concentração para políticos, economistas, contabilistas, TOCs, ROCs, correctores da bolsa, banqueiros e autarcas, a ver se isto endireita.
9. Espero que em 2011…seja simplificado o ensino, para diminuir o insucesso. Um aluno do 12º ano deve saber escrever o seu nome, saber em que país está, escrever pelo menos 3 sms em menos de um minuto, saber para que serve um preservativo, saber sacar músicas e filmes da internet e ter página no facebook. E já é muito.
10. Finalmente, espero que em 2011…aumente o aquecimento global que já estou farto de frio
A linguagem é dura... mas foi assim que chegou até mim!

14 de janeiro de 2011

Cheias, desgraças e mais cheias e outras calamidades…

O ano ano de 2011 está a iniciar muito mal.
São só cheias na Austrália, cheias no Brasil e mais cheias em Sri Lanca e no Sudeste da África Austral.
Parece que El Niño está aí em força!
E já não contamos com os sismos
e com as crises políticas na Argélia, na Tunísia e na Costa do Marfim...
Isto para não evocar ...

7 de janeiro de 2011

Palavras e frases que mais vamos ouvir em 2011

FMI.
Mercados financeiros.
Divida soberana.
Ataque ao Euro.
Crise europeia.
Austeridade.
Mais Austeridade.
Desemprego.
Pobreza.
Controlo da despesa.
Estado social.
Eleições.

6 de janeiro de 2011

Em quem devemos confiar?

Várias vezes nos interrogamos se devemos confiar em quem infringe as regras com que, bem ou mal, temos que conviver.
Será que podemos confiar os nossos bens a quem não sabe gerir? Que oportunidades podemos oferecer àqueles que, frequentemente, desprezam as mais elementares regras de bom senso?

5 de janeiro de 2011

Rituais de passagem - Entre a vida e a morte!

Os rituais são realizados como sistemas culturais de comunicação simbólica. São uma sequência ordenada e padronizada de palavras e actos observáveis...
Mas, apesar de convencionais, remetem para um sentido intenso de experimentação dos participantes que se aproximam dos seus valores mais profundos!
E num ritual da morte não nos relacionamos simplesmente com um cadáver, com o fim de uma vida, mas com uma nova condição, uma nova iniciação à vida eterna, ao reino dos mortos.
Os rituais realizados para sepultar simbolizam também a sua pequena separação do mundo dos vivos; sendo que estes devem zelar pela boa execução dos rituais segundo os costumes do grupo.
Mas cada “pequena morte” é seguida por um “renascimento”, por uma nova condição.
Mas não tenham pressa já que o último ritual de passagem em que participaremos será o da nossa morte...