30 de março de 2012

Falante insuportável

Neste novo ciclo do Partido Socialista o Sr. Francisco Assis parece, hiperbolicamente, um menino  «da mamã» daqueles que nunca se cala: a cigarra «falante» da política nacional.
Um prodígio de retórica supersónica através de uma argumentação vazia de sentido mas que, em tempo de quaresma, pretende ressuscitar o fantasma socrático encharcado em sicuta.
Depois falamos!

28 de março de 2012

Exames na 4ª classe...


Há quem pense que, nestes tempos de austeridade e de grandes dificuldades pessoais,  «é preciso um sinal, por simbólico que seja, que os anos de Escola são para formação e aprendizagem, não apenas para passar tempo e divertimento. 
E assim o exame do 4º ano evita momentos seguintes de incapacidade para gerir expectativas e momentos de dificuldades...
Mas as minhas dúvidas começam mesmo por aí: o exame vai resolver o quê? Conhecendo eu a Escola, o que vem resolver um exame? Em que é que isso altera a atitude dos alunos?

24 de março de 2012

O casal

«[...] fazer notar é mais importante do que deduzir; […] as antinomias devem ser preservadas contra a aparência da sua resolução; […] no que é bem pensado, metade é narrado; quem quiser pensar ainda melhor deverá talvez narrá-lo completamente.»

O filósofo alemão Odo Marquard escreveu umas palavras, muito interessantes, a propósito da descoberta de um parentesco etimológico entre zwei (dois) e Zweifel (dúvida).
O número dois, o par, surge na raiz da dúvida, é torna-se a semente radical da incerteza. É o primeiro número par, o número casal, o “nós” mais pequeno do mundo, alternando entre a mais complexa das unidades e a mais radical das divisões. O dois introduz a suspeita, como uma sombra que nunca desaparece: é o princípio de todas as dúvidas.
Estás preparado para ser um de dois? Ou apenas dois? 

18 de março de 2012

Queres ser escritor?!!

Num encontro anual de escritores de expressão ibérica um dos homenageados subiu ao palco e resumiu os cinco requisitos que um verdadeiro escritor tem de ter:
i) Ser louco;
ii) Ser letrado (mas não demasiado);
iii) Estar motivado;
iv) Ser imaginativo;
v) Ser paciente.

É só tentar e conseguir. Boa Sorte!

17 de março de 2012

Idiotas...

Não me passou pela cabeça que ao agarrar num livro este tivesse colado um papel que dizia:
«Se ler este livro, será menos ignorante e terá mais facilidade em arranjar emprego».
Que idiotas todos: os livreiros, os leitores e eu que agarrei em tal livro!

16 de março de 2012

Compras os livros pela capa?!

Há livrarias e livrarias...
Numas livrarias podemos folhear os livros e ler alguns textos antes de comprar.
Noutras livrarias os livros têm um embalagem tão compacta que apenas podemos ver a capa!
E isto porque num espaço em que os mercados financeiros passaram a dominar, a embalagem tornou-se determinante para a venda e, quando hoje entramos numa livraria, só vemos figura e cor. Uma livraria é um albergue de capas bonitas!
E o texto parece o menos importante, destacando-se, em vez dele, as imagens exageradas das capas que, às tantas, até para um leitor experimentado se tornaram um empecilho que confunde «gato por lebre».
E assim numa livraria «O que parece quase nunca é»!!!

13 de março de 2012

Uma tarde de «Stress» numa livraria

Para quem entra numa livraria e escolhe o livro que quer. Para quem entra numa livraria e escolhe o livro que precisa.
Para quem entra numa livraria para trabalhar: Chegam caixas e caixas. Abrem-se as caixas. Colam-se as etiquetas do preço. Colocam-se em cima das mesas. Há quem lhes toque. Os abra. Leia uma passagem. Os deixe. E têm de se arrumar outra vez.
Alguns ninguém os quer. Volta-se a pegar neles para os colocar. Alguém os leva para um armazém frio, escuro. Cheio de livros.
Ali passam um certo tempo até serem destruídos e com o seu papel nascem novos livro. Voltam a caixas e retornam à livraria.
E nós só temos de voltar à livraria e escolher.

11 de março de 2012

Gosto de olhar para os outros!

Sempre tive curiosidade em observar os comportamentos dos outros à minha volta. Fico entretido a ver como andam, como falam, como mexem o cabelo e até como sorriem. Todod temos as nossas peculariedades. Gosto até de confirmar como está arrumada a casa dos vizinhos: a relva toda aparadinha, as janelas abertas, e a mesa das refeições na rua. Muitas vezes fico a compreender porque são tão diferentes de mim e porque agem de forma tão diferente de mim.
Gosto de ver através de portas semi-abertas, onde lanço um olhar de soslaio à medida que percorro os corredores. Vejo pouco, mas o suficiente para colocar em movimento as minhas faculdades de conhecimento ou as minhas faculdades estéticas. Acredito que poderia fazer de maneira diferente e melhor.
Quem me dera poder alterar o mundo através das minhas formas: habitar todas as representações como se fossem minhas!

9 de março de 2012

Mala cheia de livros

Como hoje é sexta-feira vou partir de viagem.
E quando vou de viagem tenho de fazer a mala com todas as coisas úteis.
Mas a minha alma também parte em viagem.
E quando ela parte em viagem faz as malas com todas as coisas fúteis.
Nada como ir acompanhado.
Emprestei-lhe uns livros e decidi encontrar uns momentos de calmaria para estar com ela: haveriamos de conseguir estar os dois para repousar da voragem de 2012.

7 de março de 2012

Acerca do programa: Livro do Dia

Neste momento de grande austeridade os Portugueses compram cada vez menos livros. As vendas são cada vez menos, como tudo.
Mais,  nós vamos dizendo que cada vez existe menos tempo e menos espaços para a cultura, para o livro ...
Por isso saúdo um novo programa diário na TSF dedicadoaos livros. Chama-se «Livro do Dia» e tem como responsável Carlos Vaz Marques: bom jornalista e homem que se dedica á leitura.
Três vezes ao dia (de manhã, à hora do almoço e ao fim da tarde) seremos, pois, brindados com uma sugestão de leitura. Começou um dia destes e, se Deus quiser vai estar em antena por muito tempo. Obrigada a todos os que ainda se preocupam com o livro e com a leitura.

5 de março de 2012

A especial magia da bola

Agora vamos a um conto de fadas e bruxas más...
Depois de um bom fim de semana parece que acontecem coisas do «arco da velha»: dou comigo a ler e a ver que o querido José Mourinho é o "favourite to replace sacked André Villas-Boas at Chelsea".
Tudo é possível nesta vida, mas voltar ao passado através de um conto de fadas e outros monstros estrangeiros não é de bom tom. Ou melhor, devo estar a delirar.

4 de março de 2012

The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore

Este ano o Óscar de Melhor Curta-Metragem de Animação foi atribuído a um filme que penso que todos os que gostam de ler livros deverão perder um momento para ver.
 É da autoria de William Joyce e Brandon Oldenburg e chama-se The Fantastic Flying Books of Mr. Morris Lessmore.
E o que nos resta: afirmar que os livros são de tal maneira intensos que tornam brilhantes as nossas vidas!

Livro de Gelo!

3 de março de 2012

Fixar o Livro ao Tempo

Hoje, 3 de Março, vive-se o 63.º dia do ano da graça de 2012. E neste pequeno espaço da Net, sugiro que se abra o livro que se anda a ler e se partilhasse uma qualquer frase de uma página: vamos registar o livro no tempo. Abre o livro na página 43 e escreve...
Começo eu. Fica o registo de um momento:

«O Senhor Breton fez um intervalo. Apenas para fumar um cigarro.
Aproximou-se da janela. Da janela viu passar o senhor Juarroz, de quem se recordara havia pouco.»
Gonçalo M. Tavares, O Senhor Breton e a entrevista

Deixa também o teu registo através dos comentários.

2 de março de 2012

Os jovens são a nossa esperança

Se queremos mudar temos de oferecer condições aos nossos jovens.
Um país sem jovens preparados não se renova.
Eles são o futuro e têm de fazer o que ainda não foi feito.Também nas artes, nas ciências e nas humanidades.
Conto, pois, com a capacidade dos mais novos, das novas gerações para fazer a diferença neste Portugal tão esquecido.
Só eles nos podem salvar. Só eles poderão fazer de nós homens melhores. Tenho, em suma, esperança neles.

O Jogo

E por favor, logo à noite, joguem bem o jogo!