31 de outubro de 2012

Nem mais nem menos!


«O primeiro-ministro, se ainda possui alguma réstia de dignidade e de moralidade, tem de explicar por que é que os magistrados continuam a não pagar impostos sobre uma parte significativa das suas retribuições; tem de explicar por que é que recebem mais de sete mil euros por ano como subsídio de habitação; tem de explicar por que é que essa remuneração está isenta de tributação, sobretudo quando o Governo aumenta asfixiantemente os impostos sobre o trabalho e se propõe cortar mais de mil milhões de euros nos apoios sociais, nomeadamente no subsídio de desemprego, no rendimento social de inserção, nos cheques-dentista para crianças (...)»

António Marinho e Pinto, Bastonário da Ordem dos Advogados

29 de outubro de 2012

26 de outubro de 2012

Falácias...


Um argumento falacioso significa que é «ardiloso, ilusório, enganador». É um argumento inconsistente, sem fundamento e inválido na capacidade de provar eficazmente o que pretende afirmar. São apenas argumentos que se destinam a convencer o público mas não deixam de ser falsos por causa disso.
E há por aí tantas falácias: défice não aditivo, despesa multiplicadora de receita, baixar o défice cortando em parcelas irrelevantes, crescimento do endividado e outras que nunca mais acabam!
Até a a tese de doutoramento de Cavaco Silva tem o nome de : “A divida e o crescimento económico”! Era bom que tal palavreado nos pudesse ajudar...
E isto tudo para tentar entender a frase do nosso Ministro, Sr. Gaspar, que transcrevo: «Existe aparentemente um enorme desvio entre o que os portugueses acham que devem ter como funções do Estado e os impostos que estão dispostos a pagar».
Que é comum, nos últimos tempos, haver desvios colossais já todos sabíamos. 
Agora fazer jogos de palavras, ser ardiloso, e tentar fazer dos cidadãos parvos é que não é necessário.
É que Sr. Gaspar... « Existe aparentemente um enorme desvio entre o que os portugueses estão a pagar em impostos e as funções legítimas do estado».
E como eu, pensam milhares de Portugueses e Europeus.

24 de outubro de 2012

Lógica Aristotélica

«A lógica introduzida por Aristóteles (384-322 a.C.), e que foi posteriormente sistematizada, na idade média. Foi a única lógica conhecida no ocidente até ao advento da lógica clássica, já no séc. XIX. Trata-se de uma lógica que trabalha unicamente com quatro formas lógicas: 1) universais afirmativas ("Todo o A é B"; exemplo: "Todo o homem é mortal"); 2) universais negativas ("Nenhum A é B"; exemplo: "Nenhum deus é mortal"); 3) particulares afirmativas ("Alguns A são B"; exemplo: Alguns homens são baixos"); e 4) particulares negativas ("Alguns A não são B"; exemplo: "Alguns homens não são baixos"). A lógica aristotélica compreende duas partes: a teoria da conversão, que estuda argumentos com uma única premissa (como "Alguns homens são franceses; logo, alguns franceses são homens"), e a teoria do silogismo, que estuda argumentos com duas premissas (como "Todas as aves têm penas; todos os pardais são aves; logo, todos os pardais têm penas"). Aristóteles explicitou as relações lógicas entre as quatro formas lógicas do seu sistema, distinguindo a relação de consequência lógica (subalternidade ou implicação), a relação de contradição e a de contraditoriedade (ver quadrado de oposição)

Murcho, Desidério, O Lugar da Lógica na Filosofia

22 de outubro de 2012

Contradições Europeias

Bem, bem, bem! Afinal como é?
Ou bem que comem todos ou não come nenhum!
Ou estão à espera que isto desmorone e depois vendem os cacos?
É que...
Em matéria de dívida pública a Grécia vai nos 170,6%, Itália nos 120,7%, Portugal nos 108,1%, Irlanda  nos 106,4%, Bélgica nos 97,8%, França nos 86% e Reino Unido nos 85%.
É que quem ouve falar o ministro das finanças, julga que toda a gente tem as contas muito certinhas e nós não.
Afinal, para que é que a Europa serve se a maior parte está em dificuldades???

21 de outubro de 2012

Previsões

Agora temos de gerir a nossa vida por previsões.
Pior: temos de gerir a nossa vida por previsões erradas!
Prefiro acreditar no destino. Estou a galhofar é claro!

18 de outubro de 2012

Absurdos

Nunca pensei dizer isto: Cavaco, Cavaco, Cavaco!

Eu e muitos mais portugueses esperam que o Presidente da República A. Cavaco Silva faça alguma coisa.
Por isso: MEXA-SE. E depressa!

14 de outubro de 2012

E há quem faça alguma coisa para alterar a situação?

Para Portugal chegar onde chegou tiveram de ser cometidos muitos erros. Por desonestidade, porque há pessoas que percebem estar a fazer mal, mas interessa-lhes fazer mal. Por fraqueza de personalidade, porque há quem perceba que tem de ser diferente, mas não tem força interior para combater o que acha que tem de ser combatido. E por pessoas que pensavam estar a fazer bem, mas eram ignorantes”.

Rui Rio, Presidente CM Porto


E a Justiça, funciona??!!

11 de outubro de 2012

Prémio Nobel

O Prémio Nobel da Literatura 2012 foi atribuído ao escritor chinês Mo Yan, anunciou hoje a Academia Sueca, em Estocolmo.
Há quem pense ques está demasiado colado ao regime chinês mas...

Apostas...

E já agora...
Apesar de já terem passado uns dias venho comunicar que perdi a aposta.
Afinal o Sá Pinto saiu primeiro que o Pedro Passos Coelho.
Perdi e vou pagar mas continuo a pensar que deveria ter ganho. Ou não?!

10 de outubro de 2012

Prémio da União Europeia para a Literatura


Afonso Cruz venceu o Prémio da União Europeia para a Literatura.
É merecido, digo eu!
Conheci este escritor depois de ter na mão a «Enciclopédia da Estória Universal – Recolha de Alexandria». Folheei e comprei. Depois desse livro vieram outros. Mas, ainda me faltam ler alguns... o que prometo está para breve.
«A boneca de Kokoschska», já editado há uns anos, continua merecer por parte de Afonso Cruz um carinho, por ter sido aquele que lhe mostrou para onde dirigir o seu espírito...
Como prefiro labirintos e engodos lógicos escolho a «Enciclopédia da Estória Universal»...
Já os romances são bipolares. A beleza dos personagens são a sua tragédia. Será da contradição humana?
O próximo livro a publicar é um romance, embora se desconheça se será publicado ainda durante este ano.   

E já agora, para quando um grande prémio da ilustração e na música?

Ouvi dizer...


Nem quero acreditar...
Isto deve ser falso mas mesmo assim aqui fica...
Não sei se deva rir ou se deva chorar. Não sei se corra se me fique.
No meio desta trágico - comédia, em que se tornou a vida em Portugal e dos portugueses ouvi dizer que... 
... que devido aos cortes do orçamento, os «colossais cortes», a Cinemateca Portuguesa deixará de legendar os filmes que exibe...

O que vale é que o pessoal já sabe inglês desde o primeiro ciclo...

9 de outubro de 2012

Já não existem pensadores...

Portugal vive em estado sítio em que as diversas instituições se escondem por preferirem não tomar decisões. Preferem não...
A nossa identidade está estilhaçada mas preferem nada fazer!
A vida de milhares de portugueses resume-se em encontrar comida para pôr na mesa da sua família: é a luta pela sobrevivência.
Muitos emigram e outros hibernam em doenças psicológicas e psiquiátricas.
E o que fazem os nossos intelectuais? Ainda teremos massa crítica? Algum abriu a boca?
Parece que já morreram. Mais, parece que só se tornam famosos depois da morte. Sabem, isto não tem nada a ver com petições ou abaixo-assinados.
Os nossos intelectuais devem reunir, escrever e assinar por baixo: em nome próprio.
Faz falta quem pense em autonomia, que sintetize os pontos fortes e as muitas estratégias de resolução de problemas, padrões de pensamento e culturas de comunicação.
Uma reunião poderia ajudar...

8 de outubro de 2012

Acerca da Aprendizagem

«Ele (...) avança suavemente para a aprendizagem, sem vacilar, com eficácia e a maior gentileza, como um fio de azeite que corre sem ruído; sendo de admirar como, com esta idade, alguém age desta maneira.»

Platão, Teeteto


É preciso Coragem para Aprender...

2 de outubro de 2012

Não é possível!!??

O desemprego é um direito das pessoas mas em Portugal já é de 15,9%.
Muitos querem falar de impostos, mas estes são apenas para quem trabalha.
Por isso Sr. Primeiro Ministro Pedro Passos Coelho: se quer aumentar impostos - e como sabemos Vossa Excelência só cobra impostos a quem trabalha - faça descer a taxa de desemprego. 
E não nos serve de nada saber que a Espanha e a Grécia estão ainda piores do que nós. Um dia esses desempregados terão de arranjar um trabalho e não vai ser «lindo de ver» eles a colaborarem com V. Exª.
A reter!

As cores da natureza


1 de outubro de 2012

O que vai fazer um aluno que decida estudar filosofia?


Não nos podemos dar ao luxo de sustentar cursos sem qualidade e  com poucos alunos inscritos. Mas daí a exigir às universidades que demonstrem a empregabilidade dos seus cursos vai uma distância colossal.
E este problema, actual,  é colocado principalmente nas humanidades. Há um certo desdém pelas Humanidades. Estas são encaradas como uma perda de tempo num mundo cada vez mais tecnocrático.
O que vai fazer um aluno que decida estudar filosofia? Será por amor à sabedoria?
A resposta não é muito difícil e já é bastante antiga. Não se trata do facto de "aprender a filosofar", «sirva para» ou "seja útil para" o desempenho de uma função específica e técnica. Estamos a falar de aprender a distinguir o bom do mau, o verdadeiro do falso, o lógico do falacioso. Estou a falar de alguém que aprenda a saber sobre os outros, sobre ele mesmo.
E em verdade digo: Não está nada mal. Como preparação para o mercado de trabalho, não está nada mal, até está óptimo.
Assim, a solução não é transformar as universidades em escolas de formação profissional nem numa máquina para atingir um objectivo particular ou em  produzir um resultado particular.
Estudar numa Universidade é uma actividade humana que consiste na busca de aprendizagens para se viver numa sociedade civilizada.