30 de janeiro de 2014

Ler


Da Felicidade

"Porque julgas que Telo é o mais feliz?” E ele explicou: “Natural de uma cidade próspera, por um lado, teve filhos belos e bons e de todos eles viu nascerem filhos e todos permaneceram com vida; por outro, depois de gozar uma vida próspera, para o nosso meio, teve o mais brilhante termo da vida. Declarada a guerra pelos atenienses contra os seus vizinhos de Elêusis, ele acorreu em auxílio, provocou a fuga dos inimigos e morreu da forma mais gloriosa. Os Atenienses sepultaram-na com exéquias públicas no próprio local em que tombou e tributaram-lhe grandes honras”. 
Heródoto

28 de janeiro de 2014

A Escola do Morgadinho já tem uma solução anunciada!

«O Presidente da Câmara Municipal de Alcácer do Sal, Vítor Proença, assinou hoje em Évora, na sede da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo, CCDR, um contratos com financiamento comunitário (...) que visa criar o Centro de Educação Pré-Escolar de Alcácer do Sal (Morgadinho).(...)
Este novo centro concentrará a valência de Educação pré- escolar de Alcácer do Sal. Para operacionalizar os objectivos pretende-se a criação de uma infra-estrutura que disponha de condições ajustadas a aprendizagens qualificadas e qualificantes

Eu também consigo estar em dois sítios ao mesmo tempo...


27 de janeiro de 2014

Ler um livro


Quando lemos um livro oferecemos um pouco de nós.
Cada página é um momento significativo. Em cada uma emerge o processo criativo, a luta entre o bem e o mal e o eterno valor da Humanidade. Ler Cervantes, Melville e Kafka é estar em contacto com a vida e com a verdade. Todos fazem sentido e formam uma unidade. Ler o Cândido e o Homem sem Qualidades é ver o mundo inteiro. Os livros mostram as diferentes cores do céu, as paixões mais contraditórias e o cinzento vazio do nada. Em cada livro um personagem, em cada personagem um mundo.
Mas como diz o Alce Negro, «sabemos que estamos ligados e unidos a todas as coisas do céu e da terra... à estrela da manhã e à madrugada que com ela chega, à lua nocturna e às estrelas do céu... Só as pessoas ignorantes... vêm muitas coisas onde realmente há uma só».

26 de janeiro de 2014

Cópias

Todos começamos a aprender fazendo muitas cópias. Eu, pelo menos, lembro-me de fazer inúmeras cópias. Era uma paixão: nomear, classificar e dominar os objectos á minha volta. Era a minha maneira de catalogar a vida e as pessoas. Mais tarde aprendi, com Verne, Dostoievski, Cortazar e Musil, a dar novos sentidos ás palavras. Tudo ordenado, tudo nomeado, tudo copiado.

25 de janeiro de 2014

O Tempo

Acordei com uma ideia fenomenal: desmontar o meu relógio de pulso, peça a peça, para saber, finalmente, o que é o tempo!

21 de janeiro de 2014

Da poesia

«Pelas precedentes considerações se manifesta que não é ofício do poeta narrar o que aconteceu; é, sim, o de representar o que poderia acontecer, quer dizer: o que é possível segundo a verosimilhança e a necessidade. Com efeito, não diferem o poeta do historiador por escreverem verso ou prosa (…) diferem, sim, em que diz um as coisas que sucederam, e outro as que poderiam suceder. Por isso a poesia é algo de mais filosófico e mais sério do que a história, pois refere aquela principalmente o universal, e esta, o particular.» 
Poética, Aristóteles

15 de janeiro de 2014

Educação

"Educar não é fabricar adultos em conformidade com um modelo, mas sim libertar em cada homem o que o impede de ser ele mesmo, permitir-lhe realizar-se de acordo com o seu "génio singular".
Olivier Reboul

14 de janeiro de 2014

O que é a liberdade?

«O tipo de liberdade realmente importante tem a ver com atenção e consciência, disciplina e esforço e sermos capazes de nos preocuparmos verdadeiramente com as outras pessoas e de nos sacrificarmos por elas, repetidamente, de um sem-número de formazinhas insignificantes e nada sexys, todos os dias. Isto é a verdadeira liberdade. Isso é ensinarem-nos a pensar.» 
David Foster Wallace 

13 de janeiro de 2014

Trabalho árduo ou inteligência nata?

Não é acidental que aqueles que se destacam, em todas as áreas do conhecimento, sejam muitas vezes apelidados de "natos", já que conseguem, enquanto agem, estar sempre presentes. Parecem agir através de uma memória autónoma e instintiva, de tal modo que agente e acção são uma e a mesma coisa. Conseguem até fazer isto debaixo de uma pressão asfixiante. Resistem mesmo a distracções que destruiriam a mente dos mais frágeis.
Como conseguem desligar-se de tudo à sua volta e estarem apenas centrados na acção?
A beleza da acção humana em todo o seu esplendor. A ideia de movimento em acção. Pura mimesis. Arte mimetica. Uma infinita e interminável repetição da acção.

11 de janeiro de 2014

Uma Boa Notícia


Congratulations


To José Gusmão Rodrigues!

The Royal Institute of Philosophy is pleased to announce the result of the 2013 Philosophy Essay Prize Competition.  The prize is to be shared between José Rodrigues, University of Lisbon, for his article ‘There Are No Good Objections to Substance Dualism’, and Mariam Thalos, University of Utah, for her article, ‘The Grammar of Experience’.