26 de junho de 2014

Procurar sentido para as coisas


Distraído por vários assuntos realmente importantes, poderei ter uma vida inacabada. Várias pretensões, que se sobrepõem e opõem, transportam-me para uma duração plena de incertezas. As diferenças entre a ética e a realidade aprofundam-se, entrechocando com tal violência e com consequências tão profundas que, nestes dias como há mais de sete mil anos, todo o futuro me parece premente e insolúvel.
Só a vida com os outros é redentora. Todavia também este é um caminho difícil. Como um oleiro, tentarei criar peças com bom uso, em vez de outras de uso vil. Haja sentido para as coisas.

Sem comentários: